O que é a Ecologia Humana? – Parte I

Actualmente estudo Ecologia Humana e é uma área que gosto realmente muito!

Embora o termo Ecologia Humana tenha sido usado pela primeira vez por sociólogos da Escola de Chicago de Sociologia, em 1921, ainda não há um consenso sobre o seu significado. De facto, durante o século XX, as interpretações e definições de Ecologia Humana foram as mais diversas, não só entre as ciências sociais e as naturais, como dentro de disciplinas sociais, como a Geografia, a Antropologia, a Psicologia e a Sociologia (Amaro, 1981; Borden, 2008; Lawrence, 2003; entre outros).   Segundo Bruhn (1974: 105), a Ecologia Humana “has been proposed as a science, a separate discipline, a philosophy, a point of view, and an approach for studying a given problem”.

Ecologia

Considera-se, em geral, que a palavra “ecologia” foi aplicada pela primeira vez pelo zoólogo alemão Ernst Haeckel (discípulo de Darwin), em 1866, para caracterizar as ciências interessadas no estudo das relações entre as espécies e o mundo exterior. O termo deriva do grego antigo, em que “oikos” significa casa e “logos”, ciência; ou seja, ecologia é a ciência do habitat (Bruhn, 1974; Lawrence, 2003; Carvalho, 2007; entre outros). O facto de ser o estudo das relações de um organismo com o ambiente que o envolve, torna a ecologia muito abrangente.

No entanto, a observação da natureza e das suas inter-relações não é nova e, embora se possam encontrar registos deste tipo de observação na Antiguidade Clássica, o ser humano, de uma forma ou de outra, sempre esteve atento ao que o rodeava.

Haeckel encontrou uma só palavra, ecologia, para denominar as complexas inter-relações entre organismos vivos e o seu meio envolvente, passando o termo a ser utilizado por alguns naturalistas, a fim de designar a parte da geografia botânica que estuda a relação das plantas com o seu entorno, orgânico ou inorgânico (Rodrigues, 2011). Esta Ecologia Vegetal teve o seu ponto máximo nos finais do século XIX e, no início do século XX, a Ecologia é reconhecida como ciência. Por sua vez, a Ecologia Animal teve o seu ponto alto nas décadas de 1950/70. A Ecologia Humana só começa a ganhar contornos mais específicos durante a segunda metade do século XX, embora o termo tenha sido pela primeira vez usado no início da década de 1920. Desde modo, a Ecologia, enquanto ciência, tal como hoje a concebemos, é relativamente recente (Amaro, 1981; Carvalho, 2007; Rodrigues, 2011).

A Ecologia é, portanto, o estudo das relações entre os organismos vivos (ou grupos de organismos) e os ambientes físico e biológico em que estão envolvidos, assim como entre si mesmos. Os organismos interagem e interferem com o ambiente externo; este, é composto por factores abióticos (seres não vivos) e bióticos (seres vivos) (Amaro, 1981; Bruhn, 1974; Lawrence, 2003; Nazareth, 1993; Rodrigues, 2011).

A Ecologia é tão abrangente que acaba por ser subdividida, geralmente, nos três grandes grupos já mencionados (Vegetal, Animal e Humana), recebendo os contributos de diferentes disciplinas, como sendo a Biologia, a Geologia, a Antropologia, a Zoologia, a Botânica, a Sociologia, a Psicologia, entre outras (Bruhn, 1974; Rodrigues, 2011). Segundo Nazareth (1993: 881), “a ecologia geral passa a ser cada vez mais uma referência, um ideal – todas as relações de todos os organismos com todos os meios –, do que um objecto específico de estudo”.

Para a Ecologia, o ser humano é apenas um animal, um organismo inserido numa determinada população, que mantém um determinado tipo de relacionamento entre o que o rodeia e os outros animais da sua espécie (dessa mesma população e de outras). Veremos num outro post que factores tem, então, a Ecologia Humana em conta.

Dúvidas? Questões? Ideias?

Por favor não copie o meu trabalho. Se precisar de usar alguma parte ou ideia, por favor faça a respectiva citação.

Bibliografia

Amaro, Ana Maria. 1981. “Reflexão sobre o lugar da Antropo-Ecologia.” Revista da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. (s/v): 111–119. Retrieved December 15, 2012 (http://run.unl.pt/bitstream/10362/6292/1/RFCSH3_111_119.pdf).

Borden, Richard J, Kenneth S Cline, and Travis Hussey. 2007. “A River Runs Through It : A College-Community Collaboration for Watershed-based Regional Planning and Education 1 , 2 Context : Earth , Land and Water.” Human Ecology Forum 14(1):90–100.

Borden, Richard J. 2008. “A Brief History of SHE : Reflections on the Founding and First Twenty Five Years of the Society for Human Ecology 1 The Place of Humans in the Living World.” 15(1):95–108. Retrieved December 15, 2012 (http://www.humanecologyreview.org/pastissues/her151/borden.pdf).

Bruhn, John G. 1974. “Human ecology: A unifying science?” Human Ecology 2(2):105–125. Retrieved December 15, 2012 (http://link.springer.com/10.1007/BF01558116).

Bubolz, Margaret M. and Sontag, M. Suzanne (1993). “Human Ecology Theory”. In Boss, Pauline, Doherty, William J.,  LaRossa, Ralph, Schumm, Walter R. and Steinmetz, Suzanne (Eds) (1993). Sourcebook of Family Theories and Methods. Springer US. 419-450. Retrieved December 15, 2012 (http://link.springer.com/chapter/10.1007%2F978-0-387-85764-0_17).

Campbell, Bernard (1988) [1983]. Ecologia Humana. Edições 70: Lisboa.

Carvalho, Francisco. 2007. “Da ecologia geral à ecologia humana.” Forum Sociológico 17:127–135. Retrieved January 8, 2013 (http://forumsociologico.fcsh.unl.pt/Detalhes.aspx?ID=Ed17Art13.html).

Hawley, Amos (1986). Human Ecology: A Theoretical Essay. Chicago: University of Chicago Press.

Huynh, Truc, and Marie Alderson. 2009. “Concept Analysis of Human Ecology.” Nursing Forum 44(2):115–128. Retrieved December 15, 2012 (http://doi.wiley.com/10.1111/j.1744-6198.2009.00134.x).

Lawrence, Roderick J. 2003. “Human ecology and its applications.” Landscape and Urban Planning 65(1-2):31–40. Retrieved January 5, 2013 (http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0169204602002359).

Lopes, José da Cruz. 1993. “Ecologia humana e turismo no Alto Minho.” Revista da Faculdade de Letras – Geografia IX:17–44. Retrieved January 5, 2013 (http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/1531.pdf).

Nazareth, J. Manuel (1993). “Demografia e ecologia humana”. Análise Social, 123/124:879-885, Lisboa: ICS, Retrieved January 5, 2013 (http://www.jstor.org/stable/41011004)

Rodrigues, Teresa Ferreira. 2011. “A Ecologia Humana no quadro do Ensino Universitário Português. A Licenciatura em Ciência Política e Relações Internacionais da Universidade Nova de Lisboa.” Retrieved January 8, 2013 (http://www.cepese.pt/portal/investigacao/working-papers/populacao-e-prospectiva/a-ecologia-humana-no-quadro-do-ensino-universitario-portugues.-a-licenciatura-em-cpri-da-universidade-nova-de-lisboa-working-paper-no10-201ca-ecologia-humana-no-quadro-do-ensino-universitario-portugues.-a-licenciatura-em-ciencia-politica-e-relacoes/cepese_wp_10-v1-pdf).

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Wise up com as etiquetas . ligação permanente.

3 respostas a O que é a Ecologia Humana? – Parte I

  1. Pingback: O que é a Ecologia Humana – Parte II | Wise Up

  2. duda diz:

    mas o que significa a ecologia humana?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s